Pesquisar neste blogue

A carregar...

Tradutor

domingo, janeiro 17, 2016

Louro - O Cônsul Desobediente


Já há muito tempo que me interesso pela história de Aristides Sousa Mendes, apesar deste ser o primeiro livro que leio sobre a vida do Cônsul Português em Bordéus conhecido por salvar a vida de milhares de refugiados de guerra.
Movida pela grande curiosidade e enorme interesse por saber mais sobre a vida deste português, iniciei esta leitura.
Desconhecia a obra de Sónia Louro. Penso que o trabalho desenvolvido de recolha de informação e compilação de fontes para a organização da estrutura deste livro está muito bem conseguido. Tenho conhecimento de outros livros sobre a vida de Aristides Sousa Mendes, mas penso que nenhum concilia tão bem a utilização das fontes históricas com uma narrativa do género de um Romance. Peço desde já desculpa caso esteja a cometer alguma injustiça com algum autor que já tenha utilizado este método, a verdade é que o conhecimento de outros livros me foi transmitido por outro leitor e não por leitura própria, como já referi.
De facto, Sónia Louro dá-nos a conhecer a vida de Aristides de Sousa Mendes criando uma história envolvente, sempre baseada em factos – que nos são apresentados ao longo de toda a narrativa, o que faz com que este livro vá muito além de uma Biografia; é acima de tudo uma forma de expor e dar a conhecer a vida deste homem, passo a passo, desde o nascimento.
Apreciei muito a forma como é feita a separação dos capítulos. Apesar de a narrativa se iniciar em 1939, na altura em que são colocados ao Cônsul os entraves à livre emissão dos vistos, vamos alternando no tempo de forma a conhecer a fundo a vida de Aristides. Assim, e partindo do ponto-chave que é o ano de 1939, temos vários capítulos relativos a anos anteriores que nos ajudam a perceber a base da sua educação, o crescimento profissional e, claro, a vida amorosa e familiar. A dada altura deixam de se verificar os “saltos temporais” pois é como se os capítulos se encontrassem no tempo, ou seja, estamos num ponto da acção em que já estamos familiarizados com o passado, e a narrativa segue sem mais interrupções até ao final.  
Se tiver de escolher uma palavra para definir a sensação com que fiquei finalizada a leitura, teria de optar por “revolta”. Aristides de Sousa Mendes foi um altruísta, um homem que colocou completamente de parte o seu bem-estar e o futuro próspero da sua família, para permitir que tantos seres humanos pudessem sobreviver à Guerra. Apesar das suas raízes Aristocráticas, dos seus contactos com algumas das pessoas mais importantes e poderosas a nível político e social, e de se mover numa esfera francamente acima do cidadão comum, não permitiu que o poder político e as ordens superiores fossem mais fortes do que a sua imensa humanidade e espírito de ajuda a quem precisou dele para sobreviver. Tudo isto sem nunca fazer juízos de valor, sem nunca considerar que um ser humano é mais importante do que outro por ter determinada nacionalidade ou crença religiosa.
“Aristides de Sousa Mendes não terá salvado a humanidade, apenas trinta mil pessoas, mas por outro lado, também segundo o Talmude: “Quem salva uma vida salva todo o Universo”” (pág.370).
Aristides perdeu tudo. A sua carreira ficou arruinada, o Governo português nunca lhe deu outra oportunidade, apesar das imensas cartas e exposições enviadas por ele e pela família. Pela sua desobediência pagaram também os filhos, que nunca conseguiram em Portugal um emprego de acordo com os seus estudos e capacidades, e também a esposa que apoiou o marido em tudo mas que acabou por ser levada pela imensa tristeza em que se tornou a vida de ambos.
Apesar de ter morrido na miséria, doente e só, apesar de nunca ter em vida sido recompensado pelos seus actos de coragem e heroísmo, incutiu nos filhos ideais que certamente trarão frutos às gerações vindouras: uma das situações que mais me marcou nesta história foi a forma como a família de Aristides o apoiou nas suas decisões, e como tanto a esposa e os filhos foram incansáveis em todo o género de apoio prestado aos refugiados. Tudo por um mundo melhor, sem nunca querer nada em troca.
Uma a leitura obrigatória sobre a vida de um idealista, um Homem de fortes convicções, um Herói.
Recordo que a apresentação de “O Cônsul Desobediente” terá lugar a próxima quinta-feira, 5 de Novembro, pelas 18h30, no Piso 7 do El Corte Inglés em Lisboa. Contará com as presenças de Álvaro de Sousa Mendes e António de Sousa Mendes.
Sinopse    “Há pessoas que passam no mundo como cometas brilhantes, e as suas existências nunca serão esquecidas. Aristides de Sousa Mendes foi uma dessas pessoas. Cônsul brilhante, marido feliz, pai orgulhoso, teve a sua vida destruída quando, para salvar 30.000 vidas, ousou desafiar as ordens de Salazar.
Cônsul em Bordéus durante a Segunda Guerra, é procurado por milhares de refugiados para quem um visto para Portugal é a única salvação. Sem ele, morrerão às mãos dos alemães. Infelizmente, Salazar, adivinhando as enchentes nos consulados portugueses, proibira a concessão de vistos a estrangeiros de nacionalidade indefinida e judeus.
Sob os bombardeamentos alemães, espremido entre as ameaças de Salazar, as súplicas dos refugiados e sua consciência, Aristides sente-se enlouquecer. E então toma a grande decisão da sua vida: passar vistos a todos quantos os pedirem. Salvará 30.000 inocentes mas destruirá irremediavelmente a sua vida.”

Ver mais ...http://planetamarcia.blogs.sapo.pt/75991.html

Sem comentários: