Pesquisar neste blogue

A carregar...

Tradutor

terça-feira, janeiro 24, 2012

Falta de projecto impede recuperação da Casa do Passal

Falta de projeto impede libertação de fundos para recuperar casa de Sousa Mendes

(C/ VÍDEO)

15 de Janeiro de 2012, 11:06 *** Serviço vídeo disponível em www.lusa.pt ***

Huntington, Nova Iorque, 15 jan (Lusa) - A falta de avanços no projeto de recuperação da casa do ex-cônsul de Portugal Aristides Sousa Mendes, que salvou milhares de pessoas do Holocausto, está a impedir a libertação de fundos recolhidos nos Estados Unidos para o efeito.

Olivia Mattis, da direção da Sousa Mendes Foundation, que junta descendentes de Sousa Mendes e de sobreviventes nos Estados Unidos, escusa-se a quantificar o montante recolhido até ao momento para apoiar o projeto da Casa do Passal, em Cabanas de Viriato (Viseu).

"Os fundos estão à espera para apoiar, assim que houver projeto e plano claro para restauro da Casa e para o Museu", disse à Lusa a responsável da fundação, descendente de sobreviventes à perseguição nazi graças a um visto passado por Sousa Mendes no início da II Guerra Mundial.

"O dinheiro que temos não é suficiente para tudo. O projeto [inicial de restauro da Casa do Passal] é de 5 milhões de dólares. No banco não temos nos milhões, talvez um dia. Temos na casa dos milhares", adiantou.

Os estatutos da Fundação, criada em setembro de 2010, obrigam a pôr de parte anualmente receitas para o projeto de restauro da Casa do Passal, hoje em ruínas e para onde está prevista a instalação de um Museu e Centro de Direitos Humanos.

Depois de se ter empenhado durante o primeiro ano de vida na divulgação da história de Sousa Mendes, pouco conhecida nos Estados Unidos, mesmo por famílias que sobreviveram graças a vistos passados pelo ex-cônsul em Bordéus, no segundo ano a fundação iniciou a criação de uma base de dados de sobreviventes e seus descendentes.

Está também envolvida na exibição nos Estados Unidos e Canadá do filme "Desobediência", sobre a história de Sousa Mendes, e na tradução para inglês de livros sobre o ex-cônsul.

Entre estas estão "O Cônsul Desobediente", de Sónia Louro, um livro infantil de José Rui e uma nova edição do primeiro relato sobre a vida de Sousa Mendes, escrito pelo seu filho Sebastião.

"Queremos entrar nos programas curriculares de sinagogas e lojas de recordações dos museus do Holocausto", adianta Mattis.

Para o rabi da sinagoga de Huntington, perto de Nova Iorque, Jeffrey Clopper, trata-se de iniciativas bem-vindas, pois a história do ex-cônsul não é ensinada e por isso "infelizmente Mendes é pouco conhecido".

"Saber desta história comoveu-me, tentamos partilhar com a congregação também", disse à Lusa o rabi.

"Muitas vezes, falamos de ideias gerais quando se trata de ensinar o Holocausto. Focamo-nos no facto de haver países que apoiaram Hitler e trabalharam com os nazis para se livrar da população judaica. Foi surpresa agradável que Portugal foi um lugar onde, através de esforços de pessoas como Sousa Mendes, foi possível salvar pessoas", adiantou.

Fonte: Lusa, http://noticias.sapo.ao/lusa/artigo/13622768.html


Sem comentários: